top of page

HISTERECTOMIA
A cirurgia de retirada do útero

112ED6D0-1D96-49AC-ADEA-3EB187384DEF.png

A histerectomia é a cirurgia de retirada do útero, seja por doenças benignas como miomas e adenomiose, ou até por doenças malignas como o cancer de endométrio e do colo do útero.

Em pacientes com miomas, a indicação de retirada do útero costuma ser uma das últimas opções, quando o tratamento com medicações não foi efetivo e quando a paciente não tem mais desejo de engravidar.

A grande vantagem da histerectomia é a não recidiva da doença, ou seja, mulheres que retiram o útero nunca mais vão apresentar miomas. Porém, como o útero é imprescindível para uma gestação, ao retirá-lo, nunca mais vão engravidar.

Existe a histerectomia parcial, quando retiramos o útero e preservamos o colo do útero, também conhecida como histerectomia subtotal; a total, quando retiramos o útero e o colo do útero, geralmente a mais indicada e a radical, quando retiramos o útero, colo do útero, tubas e ovários.

As vias de cirurgia mais comuns são a laparotomia (corte de cesárea) com aproximadamente 12 cm, a laparoscopia ou robótica com 4 incisões de 1cm e a vaginal, quando não há corte na barriga e o útero é retirado por via vaginal.

A retirada do útero não causa complicações para a saúde da mulher. Retirar o útero não quer dizer entrar em menopausa, ou seja, a mulher continua produzindo hormônios normalmente, ela apenas deixa de menstruar e sentir cólicas, mas pode continuar sentindo sintomas da tensão pré menstrual todo mês. Se retirarmos os seus ovários, aí sim a paciente entra na menopausa. Portanto, a histerectomia não provoca aumento de peso, fogachos, secura vaginal e nem diminuição da libido.

A anestesisa realizada para o procedimento geralmente é a raqui e pode ser associada a uma sedação, nos casos de laparotomia, ou geral, quando a paciente é intubada, nos casos de laparoscopia.

bottom of page