ROMPIMENTO DA BOLSA
A rotura prematura das membranas ovulares pode ocorrer em qualquer fase da gestação e consiste na perda de líquido amniótico antes do início das contrações de parto.
A incidência é de aproximadamente 10% de todas as gestações.

As principais causas do rompimento da bolsa são:

  • hiperdistensão uterina por gestação de gêmeos ou polidrâmnio (líquido amniótico aumentado)
  • fatores mecânicos como contrações uterinas ou aumento da movimentação fetal
  • alterações do colo do útero como a incompetência cervical (o colo se abre espontaneamente) e a circlagem (pontos no colo)
  • tabagismo
  • outros fatores mais raros como a deficiência de alfa - antitripsina e a síndrome de Ehlers-Danlos
As principais complicações da rotura prematura das membranas são:
  • hipoplasia pulmonar (desenvolvimento inadequado do pulmão)
  • parto prematuro (a rotura da bolsa pode causar até 40% de todos os partos prematuros)
  • infecção materna e fetal
O tratamento da bolsa rota depende da idade gestacional e da presença ou não de infecção uterina. A primeira medida é a internação, monitorização do bem estar do bebê e a tentativa de uso do corticóide para o amadurecimento pulmonar.

O objetivo do obstetra é tentar levar a gestação até a 36 semana, período de menor risco para o bebê